Chuvas de “granito” e o uso racional da água

novembro 12, 2012 em Diário do Roger

Desde os primórdios até hoje em dia, o homem ainda faz o que o macaco fazia, de uma maneira geral, é um ser que escreve e fala errado. Isso é fato! Não importa nível hierárquico, grau de instrução, classe da sociedade: a burrice está em todos os cantos! Esses dias eu ouvi dizer que estava chovendo “granito”. Sim, granito, aquela pedra que tem na sua cozinha. Caraca! Uma chuva de granito seria um fenômeno que faria o furação Sandy parecer um ventinho do litoral! Há há há (sim eu rio das minhas piadas). E só pra constar, a palavra correta neste caso é “granizo”, ok? E granito não é aerolito…

Aliás, granito me lembra pia, que lembra água e por falar em água, na cidade de Salto de Itu/SP tem multa pra quem for pego lavando o quintal ou lavando a calçada! Não pode mais! O prefeito diz que é algo pela sustentabilidade da cidade mas a gente sabe que no fundo, no fundo ele só quer foder com a população, incluindo a pessoa que vos escreve, que também mora na pequena e pacata Jump City from Itu. Mas só não pode lavar quintal, ok? Encher piscina ou ficar dando descargas no vaso sanitário só pra ver o espírito da loira do banheiro pode!

Reutilizando a água da máquina de lavar…

Mas com relação ao uso da água, é óbvio que temos que usar o bom senso e utilizá-la de maneira moderada. Eu mesmo, entrei na campanha e só tô utilizando a minha própria mangueira (que não passa de uma torneirinha) pra lavar o quintal. O cheiro não é dos melhores mas, pelo menos, o quintal fica livre da poeira. 🙂

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Aquecimento Global ou frio generalizado?

junho 26, 2011 em Diário do Pereba

Domingo, às 00:20h, estávamos eu e o Gabriel Lião passeando com aquele safado do Billy (esse é novo na parada, é o nosso cão fila… um grande “filadaputa”), e não estava frio. Levantei da cama (lógico, não podia levantar de outro lugar, a não ser que estivesse bêbado), e estava frio, mas não desses frios de vestir uma roupa mais quente. Aí, depois do almoço, caiu um chuvisqueiro, coisinha vasqueira, só pra mostrar que ainda tem água no céu. Então o bicho pegou.

Um frio da encrenca, um vento gelado de fazer neguinho se encapotar e procurar abrigo em qualquer padaria pra tomar chocolate quente (eu pessoalmente prefiro cachaça, porque conhaque me da dor de cabeça, e chocolate tem açúcar, que também faz mal). Aí, fico pensando:

Primeiro: O mundo vai acabar por causa do aquecimento global.

Segundo: Se não houver uma mudança de atitude da humanidade e dos governos, haverá o aquecimento global.

Terceiro: Se os habitantes das cidades do mundo não cuidarem do seu lixo, haverá o aquecimento global.

Quarto: Se o lixo produzido pelas cidades do mundo não forem reciclados, haverá o aquecimento global.

Quinto: O aquecimento global acabará com a vida na Terra.

Sexto: Se realmente existe o tal do aquecimento global, que vai esturricar a Terra de tanto calor, “PORQUÊ É QUE AQUI NA TERRINHA TÁ FAZENDO ESSE FRIO DESGRAÇADO?”

Pereba sob o frio, tentando se aquecer

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Fim do mundo? Acho que não

junho 23, 2011 em Caqui Utilidade

Interessante essa historinha. Fica aí tudo quanto é filósofo, cientista, ecologista, repórter (ah, a imprensa, que coisa linda, que não tem mais o que mostrar), gritando: “O mundo vai acabar! O mundo vai acabar“! Na realidade, o mundo não vai acabar porra nenhuma. Quem vai acabar são todos vocês (eu respeito a ecologia, não fico juntando sacolinhas de supermercado para usar como saco de lixo e utilizo transporte público, porque o estacionamento aqui na terrinha está pela hora da morte), que estão levando a coisa “na flauta”, igualzinho à formiga e a cigarra.

Mas, pensando bem, o único problema é que, mesmo respeitando a ecologia, eu vou me foder também. Então que se lasque. Vou comprar meia dúzia de cervejas e vou carregar cada uma em uma sacolinha, pra depois fazer uma bola com elas e jogar num bueiro. E esperar a chuva.

Sem pressa, sem pressa...

O texto é meu, mas a tirinha foi copiada descaradamente do Sedentário & Hiperativo.

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Os personagens da série Chaves, 40 anos depois

março 2, 2011 em Notícias Comentadas

Hey people! Chuvinha sem fim lá fora e uma vontade imensa de estar diante da tv, debaixo das cobertas, me esbaldando de pipoca! Bons tempos em que a unica obrigação era ir para a escola!

É nesse clima nostálgico que compartilho com vocês uma matéria que foi publicada hoje no UOL. Afinal de contas, quem é que nunca curtiu um diazinho chuvoso assistindo Chaves, né?

“Quarenta anos após a estreia de “Chaves” na televisão do México, a BBC Mundo entrevistou os atores principais da série para descobrir o paradeiro de Chiquinha, Quico, Seu Madruga e companhia.

O sucesso da série acabou transformando Roberto Gómez Bolaños, o Chaves, em um símbolo da TV mexicana. Aos 82 anos, ele continua trabalhando, escrevendo artigos e adaptando roteiros, goza de boa saúde apesar de ter uma certa dificuldade para caminhar, segundo seu filho, Roberto Gómez Fernández.

Bolaños vive na Cidade do México com sua esposa, Florinda Meza – a Dona Florinda, também personagem da famosa série.

Ele também está supervisionando a criação de um desenho em 3D sobre o Chapolin Colorado, outro de seus personagens de sucesso, que deve estrear em 2012.

María Antonieta de las Nieves, de 60 anos, continua interpretando Chiquinha, em seu próprio show, que apresenta em cidades pela América Latina e Estados Unidos.

Ela também participou de algumas novelas no México e em outros países, além de ter gravado 17 álbuns infantis como Chiquinha.

Comentarista esportivo

Assim como Chiquinha, Carlos Vilagrán, de 67 anos, vem se apresentando como Quico em países como Peru, Colômbia e Argentina. Ele também trabalha como comentarista esportivo na imprensa mexicana.

Há anos ele trava uma disputa com Bolaños para interpretar o personagem no México, já que ele tem os direitos autorais da série no país.

A atriz Florinda Meza, de 63 anos, – a Dona Florinda – tem trabalhos como diretora e produtora de peças de teatro e novelas.

Ela se casou com Bolaños em 2004 e juntos protagonizaram a peça “11 y 12”, que foi apresentada em vários países da América Latina.

Durante a entrevista à BBC, o ator Edgar Vivar, o seu Barriga, contou que perdeu peso e que tem dificuldade a convencer o público de que ele consegue interpretar outros personagens.

Já atuou em filmes e novelas e, atualmente, está estudando português para um projeto no Brasil.

O ator Rubén Aguirre que interpretava o professor Girafales está fora da vida pública desde 2007, quando sofreu um acidente de carro.

Um dos personagens mais queridos da série, Ramón Valdés – o seu Madruga, morreu em 1988. A atriz espanhola Angelines Fernández – a Bruxa do 71 – faleceu em 1994, aos 71 anos”.

Matéria original em aqui.

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Dúvida

setembro 28, 2010 em Na Geral

O Governo do Estado de São Paulo promulgou uma lei que diz que “é proibido fumar em locais fechados ou parcialmente fechados“. Lugares parcialmente fechados, entenda-se, são toldos, marquises, terraços de restaurantes, abrigos de ônibus, etc. Como faz três dias que chove aqui na terrinha, me surgiu uma indagação pertinente: e guarda-chuva? O cidadão pode fumar debaixo do guarda-chuva? Guarda-chuva é liberado para o fumante ou é considerado lugar parcialmente coberto, estando assim sujeito à proibição, conforme a lei?

Fumar é prejudicial à saúde!

Com a palavra o Exmo. Sr. Governador do Estado de São Paulo.

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print