Eu Odeio… #2 – Cartões de Crédito

novembro 4, 2013 em Diário do Roger, Na Geral

Ah, essa peça plástica com certeza feita por chineses que todos odeiam e ao mesmo tempo amam: o cartão de crédito. O cartão de crédito é tipo o Galvão Bueno, saca? Às vezes você até gosta, mas na maior parte do tempo você odeia. Quem é que gosta de receber a fatura do cartão? Só gosto quando vem em branco, o que já aconteceu… nenhuma vez! E quando você não consegue pagar a fatura e aquela bagaça vai acumulando e quando a fatura chega ela te assusta mais que a cara da sua sogra virada do avesso? É tenso!

Mas o pior de tudo, na minha opinião, é quando a operadora infernal resolve cobrar a famigerável anuidade. Não basta você estar fodido para pagar a fatura do mês, com aquela serie de coisas que foram compradas compulsivamente, pagar multa, IOF, etc, e a operadora do cartão quer te cobrar uma anuidade! Isso não é justo! E aí você liga para o banco pra poder “negociar” este valor.

Simpático atendente se expressando após colocar o telefone no

Simpático atendente se expressando após colocar o telefone no “mute”.

A conversa, geralmente, é assim:

– Banco do Logotipo Azul e Amarelo, Junilda, boa noite.
– Oi, boa noite, Junilda. Aqui quem está falando é o Rogério, tudo bem?
Sem ao menos te responder ela continua:
– Qual o número do CPF do titular, senhor?
Mesmo eu já tendo digitado esse número, respondo numa boa:
-123.456.789-00
– Vamos confirmar mais alguns dados?
“Não”, penso eu, mas não digo nada
– Por favor, fale o nome de um estabelecimento comercial que o senhor tenha efetuado compras com este cartão nos últimos 30 dias.
– Lojas Xing Ling.
– Não consta compra, senhor.
– Padaria do Zé Colmeia.
– Não consta, senhor.
– Desculpe não lembro de nenhuma loja. Na verdade, acho que não usei este cartão este mês.
Silêncio no telefone.
– Ok, senhor. Parece que não há compras neste cartão este mês. Como posso ajudá-lo?
– Gostaria de negociar o valor de anuidade pois não estou satisfeito. Podemos trabalhar com a possibilidade de isenção desta tarifa?
– Um minuto senhor.
3 minutos depois:
– Senhor, gostaria de informa-lo que o seu cartão possui muitas vantagens como possibilidade de parcelamento de fatura, compras com vencimento de até 40 dias e o senhor ainda pode trocar os pontos do cartão por prêmios. Vantagens que o senhor só possui conosco pois o senhor é um cliente especial.

Caraca! Mas tudo isso qualquer merda de cartão oferece. E eu sou especial? Tá de “brincation with me”, nega? Não precisa mentir, poxa. Podia falar que o seu coordenador tá na cola e que não vai dar porra nenhum de desconto ou não conseguirá bater a meta do mês. Eu iria entender. Igual o cara que chegou no semáforo pra mim e disse “amigo, eu queria pedir um trocado, mas não é pra comprar comida não, é pra tomar cachaça”. Poxa, claro que dei um trocado pra ele. Quase fui no bar tomar uma também, mas isso é uma outra história. Continuando…

– Mas você consegue isenção da anuidade?
– Como eu disse, senhor, o cartão oferece muitas vantagens… blá, blá, blá e é IMPOSSÍVEL isenta-lo dessa tarifa.
– Ah, entendi, impossível, entendo. Bom, não vou travar uma batalha contra o impossível, né? Veja o que você pode fazer pra me ajudar, por favor.

Aí a nega faz de conta que tá digitando quando na verdade está comendo um sanduba de atum e, com aquela super boa vontade (só que não), te dá um desconto de bosta e você fica feliz.

Mas eu iniciei um novo trabalho esse ano e agora a conversa é assim:

– Banco que o Luciano Huck faz Propaganda, Gumercinda, boa noite.
– Oi, boa noite, Gumercinda. Aqui quem está falando é o Rogério, sou o titular da conta, meu CPF, embora eu já tenha digitado e sei que você irá pedir, é o 123.456.789-00. O motivo do meu contato é que estou insatisfeito com o valor da anuidade e não gostaria de pagar por ela, mesmo você dizendo que tenho muitas vantagens em ter esse cartão, ainda insisto que não quero pagar valor de anuidade. Não quero desconto e sim isenção. Se você conseguir a isenção, parabéns! Caso contrário, por favor, pode cancelar este cartão por favor. Espero ter sido claro e, sim, eu aguardo um minuto.
– Er… um minuto senhor.
Minutos depois…
– Senhor Rogério, consegui aqui com a supervisão a isenção da anuidade. Gostaria de anotar o protocolo desse atendimento?

Sacaram a diferença? Acreditem, o lance funciona! Mas tenham em mente que o tiro pode sair pela culatra. Imagina se você fala isso e o atendente responde “ok, senhor, estamos cancelando o seu cartão”.

Aí azeda o molho, né não?

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Super poderes, raposa assada e o mulambo trifodex

maio 23, 2013 em Diário do Roger

Já dizia um sábio amigo meu: trabalhar em um sábado é coisa de nego fodido! E trabalhar no domingo então? E virar de domingo pra segunda-feira, sem ao menos assistir ao Domingão do Faustão? Isso é coisa de “trifodido”. É o “mulambo trifodex”!

Mas não basta ficar sem assistir as maravilhosas video-cassetadas que já foram vistas 2.000 vezes cada. Ainda tive aquela baita dor de barriga, com peidos cheirando à raposa assada. Me lembro como se fosse ontem (na verdade foi há 3 dias). Noite. Cagada. Trânsito. Sono. Comando da Polícia Militar. Tudo isso misturado a uma vontade avassaladora de cagar. Peguei a Dutra e dirigi à 160  km/h absolutamente dentro dos limites de velocidade. Há menos de 2 minutos da minha casa, me preparando psicologicamente para evacuar em poucos minutos, me deparo com aquilo que qualquer cú em estado de evacuação motorista bêbado  mais teme: um comando da Polícia Militar. Não com 1 viatura, nem 2, mas 3 viaturas e 6 policiais, todos preparados para impedir que eu cometesse a simples infração de “dar um cagão”

Cagar é uma diversão

Final feliz…

É claro que eu não havia bebido pois estava trabalhando (sou um fodido, lembrem-se). Minha preocupação era outra: já havia preparado todo o meu organismo para evacuar em 2 minutos. Seria uma merda, literalmente, ser parado pela polícia. Eu estava cagando literalmente de medo. Chegando próximo ao comando, vi um policial caminhar em minha direção, com uma das mãos levantadas, sinalizando para que eu parasse. Neste momento, minha vida passou pelos meus olhos: lembrei da minha infância, das vezes que mijei na cama incluindo a do ano passado, pensei nas pessoas que votaram no Lula, pensei em quanto custaria pra trocar o estofamento do carro, quanto uma Panicat cobraria por um programa, etc. Enquanto eu divagava sobre tudo isso, o policial, que acredito firmemente que possuía poderes psíquicos, leu a minha mente (ou o meu olhar) e percebeu o meu desespero. Mais que rapidamente ele sinalizou para que eu continuasse. Um bom homem esse policial. Enfim, cheguei em casa em tempo hábil, corri para o banheiro e, finalmente… peidei. Sim, isso mesmo caros amiguinhos: peidei! Frustrante não? E lá estava eu, triste por ter sido enganado por meu próprio corpo, quando uma súbita e arrebatadora vontade de cagar surgiu, mais rápido que Testemunha de Jeová no portão da sua casa, e aí sim, uma bela obra de arte, mais parecida com um braço, foi criada. Enfim, uma história com final feliz! 🙂

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Chuvas de “granito” e o uso racional da água

novembro 12, 2012 em Diário do Roger

Desde os primórdios até hoje em dia, o homem ainda faz o que o macaco fazia, de uma maneira geral, é um ser que escreve e fala errado. Isso é fato! Não importa nível hierárquico, grau de instrução, classe da sociedade: a burrice está em todos os cantos! Esses dias eu ouvi dizer que estava chovendo “granito”. Sim, granito, aquela pedra que tem na sua cozinha. Caraca! Uma chuva de granito seria um fenômeno que faria o furação Sandy parecer um ventinho do litoral! Há há há (sim eu rio das minhas piadas). E só pra constar, a palavra correta neste caso é “granizo”, ok? E granito não é aerolito…

Aliás, granito me lembra pia, que lembra água e por falar em água, na cidade de Salto de Itu/SP tem multa pra quem for pego lavando o quintal ou lavando a calçada! Não pode mais! O prefeito diz que é algo pela sustentabilidade da cidade mas a gente sabe que no fundo, no fundo ele só quer foder com a população, incluindo a pessoa que vos escreve, que também mora na pequena e pacata Jump City from Itu. Mas só não pode lavar quintal, ok? Encher piscina ou ficar dando descargas no vaso sanitário só pra ver o espírito da loira do banheiro pode!

Reutilizando a água da máquina de lavar…

Mas com relação ao uso da água, é óbvio que temos que usar o bom senso e utilizá-la de maneira moderada. Eu mesmo, entrei na campanha e só tô utilizando a minha própria mangueira (que não passa de uma torneirinha) pra lavar o quintal. O cheiro não é dos melhores mas, pelo menos, o quintal fica livre da poeira. 🙂

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Praia, sol, chuva e a final do BBB11

março 27, 2011 em Diário do Roger

Olá amiguinhos. Há tempos que não escrevo aqui no meu diário, estilo Doug Funnie, não é mesmo? Mas é porque o tempo está escasso. Tá pior do que achar Coca-Cola no deserto. Neste fim de semana sobrou um tempinho e fui para a praia, assim como todo pobre que consegue uma folguinha no final de semana. Como pobre pensa sempre igual, peguei aquele baita trânsito maldito na chegada a São Paulo, pois todo mundo pensou “hey, vamos pra praia na quinta-feira a noite”.

Enfim, cheguei ao destino: Guarujá. Achei bem estranho que o caminho que eu sempre faço estava fechado, então peguei um caminho alternativo, que podemos chamar de “bocada”. Como eu sou “espertasso”, pensei “não vou por aqui, não”. Dei meia volta e fiz um segundo caminho que podemos chamar de “bocada muito pior”. A sorte é que vi um carro parado e pedi informação. O cara só disse assim “que bom que você perguntou, nossa, Deus me livre de você continuar por esse caminho”. Cara, a maneira como ele falou, era como se eu estivesse na fronteira da Líbia. Fiquei com medo, voltei mais de 5 kilômetros e fiz o caminho dos mortais. Tudo acabou bem nesse dia.

Orgasmo vai... LEITE!

Mas sabe o que me incomoda no Guarujá (e em vários outros lugares) são aqueles garotos que olham carros. Aliás, os caras são bem organizados e faturam uma grana boa. Podia jurar que vi um deles comendo uma porção de camarão em um quiosque da praia, é sério. E já notaram como esses caras são rápidos? Você chega em um lugar e não vê ninguém. De repente, do nada, o cara aparece “aí, gente fina, posso olhar o seu carro”? Como se a gente pudesse dizer não, né? Mas o mais intrigante é a velocidade que eles aparecem na hora que você vai embora. Parecem uns ninjas. Você pensa “beleza, não vou ter que dar moedas pra ninguém dessa vez” e antes de terminar o pensamento o cara está lá. Há há há.

E amanhã é dia de pegar a batuta, votar na puta, ops, voltar a labuta. Então, voltamos com nossa programação normal.

BBB11.

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Sobre carros, polícia e licenciamento atrasado…

dezembro 7, 2010 em Diário do Roger

Tem coisa pior do que esquecer de pagar o licenciamento do carro?

Sim, é esquecer de pagar e a Polícia Rodoviária te parar. E tem coisa pior que essa?

Sim, é você descobrir que na verdade trata-se da Polícia Rodoviária Federal. E tem coisa pior?

Sim, é depois de passar por todo esse “cagaço”, apreenderem o seu carro. Isso sim é uma “Bósnia”.

E essa história não acaba aqui. Aguardem… ou não.

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Mulheres, sapatos e os Lírios da Paz

novembro 15, 2010 em Diário do Roger

Você que é mulher, imagine um shopping. Agora imagine um shopping só com lojas de sapatos. Legal, né? E se eu dissesse que esse shopping tem mais de 150 lojas e é o maior shopping de calçados femininos da América Latina? Fantástico, não? Só se for pra você!

Agora me volto pra você , leitor do sexo masculino. Imagine você na obrigatoriedade de levar a sua namorada, esposa, filha, vizinha ou amante para um lugar desses. É praticamente o inferno na terra. Só não é pior do que alguém chegar pra você e dizer “Hey, vou cortar o seu bilau”. Sinistro!

Pois bem. Hoje a missão foi levar a senhora Caqui ao Território do Calçado, na cidade de Jaú (que rima bem com “tomei no… pé”). Imaginem só. Uma segunda-feira, feriado, excursões estavam presentes lá no tal shopping. Gente pra caramba mesmo, de todos as etnias, raças, marcas e modelos. Era a visão do fim do mundo. Pensei “2012 chegou”.

E mulher é uma coisa engraçada. Percorremos o shopping todo (sim todinho, todas as lojas) e no final a senhora Caqui diz “Hmmm, queria ver uma sandália que eu gostei, mas não lembro qual a loja”. Gente, quase tive um treco. A alegria foi saber que ali havia um lugar onde os maridos entediados se encontravam: o Quiosque Chopp Brahma. Fui do inferno ao paraíso em segundos! Incrível como um (ou dois) chopp faz a gente se animar, não?

Assim é bem mais fácil, não?

Mas nada é tão ruim que não possa piorar, não é mesmo? Fui então para o segundo tempo, visitar o Shopping do Calçado, ou seja, mais 30 lojas pelo menos. Resumo: com aquele clima de incertezas e dúvidas, fechamos o balanço de compras: 2 pares de sapatos e um almoço.

Mas eu nem contei sobre o hotel que ficamos, da tiazinha com voz de homem e do banheiro onde não entram gordinhos. Mas isso fica pra um outro post… ou não.

E você que prestou atenção no título e está se perguntando “mas e o Lírio da Paz?”, vou te dizer. Alguém esqueceu de colocar água na planta e ela “mórreu”. Não sei “quem fui”.

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Ele já sabia!

julho 2, 2010 em Diário do Roger

Nossos amigos Carlos Timóteo, Antônio Vianei e Cintia Camargo estão ligadex e nos lembraram que este cara já sabia que a seleção viria embora logo pra casa. Bem, fomos elimidados da Copa do Mundo e isso quer dizer o quê? Quer dizer que você vai trabalhar/estudar normalmente na próxima terça-feira. Só!

PS. Estou irado com a derrota da seleção e vou vomitar palavras ferozes no twitter. Aguardem sentados pois eu não vou xingar coisa nenhuma pois daqui a 30 minutos nem lembrarei o que é Copa do Mundo. Em tempo, acabo de abrir a minha primeira lata de Skol. Pena que essa não falou comigo. Vou abrir mais umas 10 e tenho certeza que TODAS começarão a falar.

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Diário de Bordo #3

junho 12, 2010 em Diário do Roger

Depois de várias tentativas frustadas, na semana passada finalmente consegui ir para o Rio de Janeiro e graças a dica do amigo Jetro Ramon, conheci lugares como este:

É um Rio de Janeiro que você talvez não conheça! E em tempo: há um outro “Termas” em frente ao Aeroporto Santos Dumont. Fica a dica! 🙂

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Diário de Bordo #2

junho 1, 2010 em Diário do Roger

Ser zicado é para os fracos. Eu sou muito zicado. Como se não bastasse tudo o que já tinha acontecido, meu novo voo de 13:32h atrasou devido ao mal tempo nos aeroportos do Rio de Janeiro e Campinas. Por fim, não viajei para a cidade maravilhosa (com Cristo em reforma, frio e chuva), mas tive tempo de desligar dois televisores de LCD que informavam os horários dos voos. Foi sem querer, mas deu pra perceber como um famoso se sente: todos os olhares estavam voltados para mim. Podia ao menos ter ido com uma camiseta do blog, pra fazer propaganda. Rá!

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print

Diário de Bordo

junho 1, 2010 em Diário do Roger

Sim, eu sou zicado! Hoje estou indo para o Rio de Janeiro (na verdade, já deveria estar lá) e, como toda vez que eu vou pra lá, algo aconteceu. Dessa vez o meu voo foi, simplesmente, cancelado. Sim, amiguinhos. Após ficar 40 minutos dentro da aeronave, segurando aquela baita vontade de cagar de tanta ansiedade, o comandante nos informa que o voo seria cancelado devido ao mal tempo no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro.

Mas tudo bem. Imprevistos acontecem. Meu voo, que estava marcado para 8:17h e agora vai sair as 13:32h. Vai tomar no bóga! O pior é que o voo das 9:45h, com destino ao Rio de Janeiro (sim o mesmo destino que o meu) saiu normalmente. Maldito Murphy!

Depois de todos os trâmites para trocar a passagem (pois trocamos a “ACUL” por “TAM-TAM-TAM-TAM”) minha mochila foi identificada com bombas ou armamento nuclear pois o Raio-X não liberava ela de jeito nenhum. Ou eu tenho cara de terrorista? Humpf!

Agora uma “véia” sentou do meu lado e quer bater papo e eu não sou multi-task, então este post termina por aqui. Até mais amiguinhos. Espero chegar no RJ ainda hoje. 🙂

Compartilhe essa bagaça:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Tumblr
  • MySpace
  • Google Bookmarks
  • Print